terça-feira, 31 de março de 2009

Escrevo escrevo escrevo tresloucadamente: artigos, poemas, ensaios, contos. O dia não tem mais horas para mim que me sinto sanguessugada pelo trabalho, absorvida pelo cotidiano, estremecida com deus. Será? Fico pedindo pedindo pedindo tresloucadamente: me dá paciência Senhor, me deixa um tempo para desejar, colher, amar. Tenho implicado com tantos horários restritos e salas fechadas, reuniões inacabáveis e tento sempre me apaziguar dizendo que já vai passar. Daí que tem um feriadão e vou para Santa Maria. Daí que tem Páscoa e vou tomar vinho e comer pão como sempre fiz a vida toda, desde criança, na Sexta-feira Santa. Se sou católica? Não. Não é isso. O ritual veio com minha avó e eu criei essa crença de que isso me faz bem nesse dia: tomar vinho e comer pão somente. Uma refeição sagrada. Por isso, não fico desesperada porque o dia tem poucas horas para mim que tenho tanto a oferecer a ele. Egoísta, o tempo segue os ponteiros do relógio enquanto vou abusando do que é possível, por exemplo, viver.

14 comentários:

Jânio Dias disse...

Olá!

Pão e vinho. Não há melhor oferenda ao tempo. Horas inesgotáveis de cumplicidade. Egoísta não; o tempo é amigo.

Abraço!

Letícia disse...

Sim, Biba. Tenho essa sensação. O relógio não está vivendo por mim e eu estou contra ele. E precisamos respirar. Precisamos de pausas e tomar vinho e um feriado. Precisamos dar um tempo e respirar um pouco mais e nem que seja tresloucadamente. É assim que se vive.

Mais beijos.

Franzé Oliveira disse...

Ponteiro,
Oscilador mecânico para conservação da hora.

No caminhar dos dias
Vagarosamente circula.

As horas seu apoio,
Seu fim...

Biba disse...

Olá Jânio, o tempo é amigo sim, mas às vezes fica um pouquinho egoísta, não fica?

Abraço,
Carpe Diem!!!

Biba disse...

É Letícia, é assim que se vive neste tempo pós-humano. Mas vamos fazer nossas pausas, como faço agora enquanto espero uma orientanda. Estou louca de vontade de escrever muita coisa pra você. Me aguarde!!
Beijo e afeto
Carpe Diem!!!

Biba disse...

Oi Franzé, esse oscilador mecânico não deve mecanizar a gente, né?

Abraço,
Carpe Diem!!

Letícia disse...

Biba,

Nós somos amigas sim e pode me escrever. Você sabe o caminho e tem livre arbítrio para me escrever. E vamos aproveitar as pausas. =)

Bjo de carinho.

Beto Canales disse...

Este é o mundo que construimos: muito tempo para trabalhar pouco tempo para aprender

La Corleone [Mãinha] disse...

É, parece que atualmente o único modo de viver e correndo contra o relógio.
Mas ainda bem que existem lugares em que o tempo parece ter preguiça de correr, como no meio do mato!

bjoS. adorei o post

Danúbio, disse...

E se todas essas coisas que enchem nossas horas, nossos dias
nos tornem vivos? Palpáveis? Queria assim. Pausas menos longas, silêncios menos dolorosos, queria também, nesta páscoa, só uma fatia de cuca e uma boa companhia.
Beijos

Biba disse...

Letícia, vamos aproveitar bem as pausas porque elas nos reabilitam, nos dão novo fôlego. Vou escrever pra vc uma linda carta-email.

Beijos,
Carpe Diem!!

Biba disse...

Beto, meu trabalho também exige aprendizado mas mesmo assim é pouco tempo para esse aprender, você tem razão.

Beijo
Carpe Diem!!!

Biba disse...

Beijos La Corleone, gostei de ter conversado com você na aula de ontem. E eu estava com dor de cabeça e dor de estômago, imagina!! Conversando aquela sensação ruim foi toda indo embora.

Beijão
carpe Diem!!!

Biba disse...

Sim Danúbio, essas coisas que enchem nossas horas nos tornam vivos, sim. O que quero é um pouco de, digamos, "ócio criativo", entende?

Beijo,
Carpe Diem!!