terça-feira, 3 de março de 2009

Chico Buarque

A felicidade
Morava tão vizinha
Que, de tolo
Até pensei que fosse minha

16 comentários:

Franzé Oliveira disse...

A felicidade morava ao lado e de tolo não percebi.

Bjos com carinho.

Adri Antunes disse...

putz! é sempre assim, né?! ehe
às vezes penso que imaginar é um tormento!
bjuuuu

glória disse...

a felicidade sempre se avizinha, mesmo que faça parte do gosto que sentimos imaginando ser melhor aquela do lado. quando estou num restaurante, e vejo pratos apetitosos a passar por mim, imagino que poderia ter pedido aquele outro. depois, passei a imaginar, nào será essa mesma sensaçào que a passagem do meu prato provoca nos que agurdam os seus? e passei a saborear mue prato banhada pela idéia de que ele é o meu e do vizinho. entende? bjs

Dayse Moura disse...

ó céus! Chico é um profeta. Alguém discorda?

Biba disse...

Franzé, pois, então, a felicidade às vezes está tão na nossa frente ou ao lado e nós nem nos damos conta.
Bju com carinho.
Carpe Diem!!!

Biba disse...

Bjuu, Adri. Imaginar às vezes é para mim um tormento.
Bju
carpe Diem!!!

Biba disse...

Entendo Glória e acho que já passei por algo assim em relação à comida também! Engraçado, né? Uma vez, viajando, eu pedi o mesmo prato de uma mesa vizinha porque parecia ser a melhor coisa do mundo.
Beijos enorme
Carpe Diem!!!

Biba disse...

Eu não discordo não, dayse. Chico Buarque para mim é o máximo. Que alguém se atreva a discordar da gente!
beijão,
carpe diem!!

Anônimo disse...

esse verso do Chico B. agora me pareceu tão paradoxal, me lembra a cor azul, que tanto poder ser melancolica, ou de 'alegria serena'...

Eduardo Matzembacher Frizzo disse...

Chico nos meus olhos essa hora da manhã, poeta do cinema e das salas de aula? Não: é demais pro meu peito de esponja. Não suporto tanta delicadeza por mais de dez segundos, pois sei que esses dez segundos são como um labirinto do Borges: espraiam suas prateleiras por sobre nossos viveres e fazem com que quereres digam o que não dizem para só então nos fazerem sentir o que imaginamos. Falta-nos tempo? Realmente, falta-nos. Sinto que o relógio cria grades que tenho que rspeitar e as quais põe quentes meus ouvidos quando as deixo de lado. Sinto que a corrida me trama as pernas assim como me faz cair de uma hora para outra, prenhe das palavras que, justamente pela falta de tempo, não pude dizer. Entretanto, entre o tempo que tenho e o tempo que me falta, me sobra a visão, me sobra o tato, me sobra a pele que no verão é molhada e no inverno é lixa - neblina italiana e germânica com alguns planetas pintados que os dermatologistas despudorados insistem em chamar de pintas. Por isso, minha poeta do cinema e das salas de aula, se a felicidade mora ao lado, que façamos amizade com o vizinho. Se for vizinha, pelo menos quanto a mim, melhor ainda, visto que então posso tentar um flerte. Do nosso amor nada culpado talvez nasça enfim o riso. Mas um riso despreocupado e sem siso, repleto daquilo tudo que nos faz ser o que somos: seres da escrita e da fala, da história e da linguagem, das películas e das músicas - cronópios de Cortázar que ainda não fizeram o que tem de fazer pois não conheceram a lua dos seus próprios sonhos. Um beijo de amanhecer insone mas belo e feliz, minha querida amiga.

Duda Lima disse...

Adorooo Chico Buarque!
A feliciade é tão boa que queremos ela só pra nós a todo momento.
Beijinhos Biba^^

Biba disse...

Duda, beijinhos para você também!

Carpe Diem!!!

Biba disse...

Du, Edu, Dudu... Eduardo. Eu estava com saudades de suas visitas porque você sempre me acolhe de um modo muito especial naquilo que estou dizendo com as minhas palavras ou com as de outros, como o Chico. A idéia de ficar amigo do vizinho, se a felicidade está lá, é bastante interessante!! Você flertar com ela, enfim. Gostei muito de suas lindas palavras de amanhecer, pena que só pude ver agora, noite adentro.
Beijo carinhoso, meu amigo querido
Carpe Diem!!!

Biba disse...

Anônimo, acho que é ambíguo. Doce e ao mesmo tempo amargo. São versos para a gente entrar neles.

Bju,
Carpe Diem!!!

Moça do Fio disse...

O meu marido... [meu e de todo mundo, né?]

Só ele mesmo para descever o que sentimos sobre/com a felicidade.

;-)

Biba disse...

Oi moça, Chico é realmente muito especial e sabe como dizer as coisas mais simples e também as mais complexas.
Bjs
Carpe Diem!!!