quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Crash - O dia depois

Depois da batida, o coração da gente desacelera. Não é engraçado? É o contrário de tudo. Hoje continua chovendo e sinto uma indisposição física muito grande. O corpo se nega a ser. Qualquer coisa o comprime. Mas nada disso importa agora que um pedaço de chocolate chega aos meus lábios. Chocolate é sempre compensador. Alivia. Dopamina. Agita. Como o chocolate como se fosse o último de todos que existem. Sinto o sabor delicioso enquanto penso coisas do tipo: se a chuva parar eu vou visitá-lo, quando chegar em casa vou ouvir Zélia Duncan, se tudo der certo ... bem, se tudo der certo continuarei por aqui e vou relembrar uns certos momentos ínfimos. Ter o que lembrar nos cura de muitos males.

8 comentários:

Mauro Vaz disse...

Lindo texto! e nada melhor que um chocolate mesmo.

Caco disse...

Bom seria se todas as nossas lembranças tivessem sabor de chocolate! :-)

Biba disse...

Mauro, chocolate tem um sabor que, nossa, não dá pra explicar mesmo, não é?
Abraços e Carpe Diem!

Biba disse...

Caco, eu juro que é verdade, as minhas melhores lembranças têm sabor de chocolate. Te abraço! Carpe Diem!

Sr. Dédalus disse...

lembrar é viver de novo.
mas bom também é visitar, para viver de novo depois...

Biba disse...

Que lindo, Sr. Dédalus, que lindo. Visitar é também compartilhar um encanto. Eu estive encantada nesta tarde.

ira disse...

"Ter o que lembrar nos cura de muitos males". Lindo, lindo texto.
bjo

Anônimo disse...

o chocolate...'as pequenas alegrias de amelie poulain'