sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Escombros do mundo

Outubro, 23. Manhã de luz que arrebenta a retina. Olhos entreabertos, sem óculos de sol. Um suco de manga. Uma maçã no escuro. Ai! Clarice, me acode agora que entrei nesse desvario de dizer que a vida é coisa de ficção. Queria ter as costas aladas, como as de um anjo e assim me ver em Berlim, com Cassiel. Queria que o mote da desilusão não doesse a dor que dói. Precisava de mais alguma coisa que me foge agora à memória. Necessitava de um sopro qualquer, um tufo de vento nos meus cabelos compridos. Queria ser espécie rara, nativa, irreal. Porém, me vejo pequena diante dos escombros do mundo...

6 comentários:

Caco disse...

Por que será que a evolução ainda não fez os homens nascerem com asas? Como as de Cassiel...

Beijos de ficar bem,
CACO

Marcelo Novaes disse...

Pairar acima:
árdua travessia.






Beijos,









Marcelo.

Jéu disse...

Olá Biba,

Realmente nos tornamos escombros, por vezes de nós mesmos, mas é certo que se quisermos, podemos reconstruir e recomeçar.

"O ser humano é imprevisível e capaz de tudo, do bem ao mal, da destruição a renovação."...e somos nós, seres humanos, que escolhemos qual dos extremos iremos seguir.

Um grande abraço!

Biba disse...

CACO, é porque eu acho que estamos involuindo (risos).

Beijos de ficar bem,
Carpe Diem!!

Biba disse...

Marcelo,

realmente árdua travessia.

Beijo
Carpe Diem!!

Biba disse...

Jéu, acredito muito no ser humano, demais até. Ou nunca é demais?

Beijo,
Carpe Diem!!