sábado, 13 de dezembro de 2008

preciso

ano acabando é isso, tempo de se reinventar. fazer cálculos inevitáveis, mas também pensar no futuro sem débitos. depois de muito ouvir The Wall, revisito o blog pensando em se alguém aí tira o sábado para fazer essas coisas: ouvir Pink Floyd dos anos 80 tomando um bom vinho depois de uma pizza Vitória Régia.
estive no blog da Adri e quem vier aqui tem que ir visitá-la (temporário permanente). é como um link, sabe? ela diz coisas que tocam a alma e a minha precisa ser tocada o tempo todo, senão viro fumaça, adiós.
preciso do gato que me enfadonha as pernas de tanto roçar pedindo comida/carinho, preciso dos alunos mesmo que reclamando de uma coisa ou outra, preciso das luzes acesas em pequenos castiçais. preciso me olhar no espelho de vez em quando, mas sempre esqueço deste detalhe. preciso fazer a volta, dobrar a esquina e encontrá-lo, afinal.

8 comentários:

marcéllia avilla disse...

Oi, profe...
Eu também preciso...me sentir viva.
Hoje foi um dia..uma noite..uma madrugada tão vazia.
Não estou encontrando a felicidade em coisas superficiais, preciso mergulhar mais profundo para dentro de mim...sinto que preciso de algo a mais...meu coração deseja amar, mas as pessoas parece que não precisam de amor, são tão vazias e superficiais!?
Tudo gira em torno do "dinheiro", mas eu não quero dinheiro, quero amor!
Um amor puro e sincero, amor que compreende...será que existe este sentimento????
Ou é uma utopia???Um sonho que tenho, uma ilusão, etc?
Um beijão e ótimo domingo

Biba disse...

marcélia, a gente conta nos dedos aqueles que valem a pena. os que não são vazios e superficiais. quanto ao amor...amor que compreende eu acredito nele. pode ser que eu seja sonhadora, então, mas a busca não pode parar. acredite e vá em frente!
Beijos, muitos
carpe diem!!!

Adri Antunes disse...

Biba, acho que nos auto-alimentamos (já tentando me adequar as novas regras do português), acho tb que somos mto parecidas e apenas lamento ter descoberto isso depois de ter saído da faculdade, quando já não te vejo sempre. de qualquer forma, te ler e acolher o que me escreves de forma tão verdadeira me toda tb e me faz passar o domingo contendo o cinza que sempre me desbota. um bjuuu enorme e mto carinhoso.

Biba disse...

Adri, também acho que somos muito parecidas e igualmente lamento que só descubramos isso agora e virtualmente. Ainda assim, ao menos nos descobrimos! E aqueles que nem mesmo se escolhem? Lembra de Clarice? "Nós agentes disfarçados, nós às vezes nos reconhecemos..." Creio que foi o que aconteceu com a gente, nós nos reconhecemos. Meu domingo também foi cinza e eu aguentei ouvindo muito Chico Buarque.
Beijo beijo beijo
carpe diem!!!

Marcelo A. de Moura disse...

Há quem tire as sextas pra ouvir não Pink Floyd, mas R.E.M., que também são lá dos 80. Há quem esperou 10 anos para poder vê-los ao vivo em POA... Consegui! Há quem lembre dos 13 anos de idade ao ouvir "The One I Love" ou "It's the End Of The World As We Know It". Há quem teve essas músicas como únicas companhias oos 15, 16, anos... Há quem fale de si mesmo e não de comenta sobre a vida alheia...Ainda em tempo, há quem ouça o The Wall e lembre do Roger Waters escrevendo um disco sobre a sua vida...E nós pensamos em nossas vidas ouvindo o Roger tocar sobre a sua vida, ouvindo o Michael cantar sobre o fim do mundo e sobre um amor único...

Biba disse...

R.E.M, você sabe, é dos meus preferidos. Tudo o que você disse me fez lembrar de uma Biba trancada no quarto ouvindo The Wall a todo o volume tentando acompanhar as letras naquele encarte "escrito a mão". Foi um tempo em que sem a música eu não sobreviveria (Niesztche estava certo quanto à música). Mas, enfim, ela continua salvando meus dias até hoje.Assim como um bom filme.
Beijos
Carpe Diem!!!

Marcelo A. de Moura disse...

http://www.youtube.com/watch?v=dciDcRZovP4

Um R.E.M. pra ti Biba, espero que não conheça essa música ainda...rs! Se gostar, assista também "At my most beautiful"

Beijo

Biba disse...

marcelo, obrigada, vou correndo ao endereço do youtube.
Bjs,
carpe diem!!