terça-feira, 24 de agosto de 2010

Livros me circundam. Palavras para se transcender o óbvio. Me envolvo. Aceito. Luto. Discordo. Tudo se dá de um modo novo, prisma de mil cores. Filmes me conquistam. Os argentinos, em especial os de Campanella. Riso, tragédia e toda sorte de alegrias fluidas. "O Filho da Noiva" vale uma taça de vinho tinto para brindar depois. Tudo o que me cerca acende uma luz em mim. Dessas que ofuscam e se bastam. Não aquelas que piscam. Tudo é comovente, até meu silêncio dolorido.

4 comentários:

Amanda Cecilia disse...

Que bonita maneira de se relatar. Que vontade me deu de assistir este filme. Gosto quando os textos me induzem a algo. Gostei. Quando quiser venha no meu. Um abraço!

Thomaz Ribeiro disse...

Quando se estar de bem consigo mesmo, tudo é muito mais gostoso.

Biba disse...

Oi Amanda, fico feliz que tenha gostado do post.

Beijo
Carpe Diem!!

Biba disse...

Certo Thomaz, é verdade, estar bem com a gente mesmo faz toda a diferença.

beijo
Carpe Diem!!