quinta-feira, 3 de maio de 2007

Asas

Asas, que quando quero eu vôo
De relance posso ver o vento
Espreito a vida
que é para não morrer sem saber
do absoluto mistério:
invenção humana.
Apalpo o tato
para sentir o que se sente.
Asas que quando quero eu vôo
De relance posso ver o tempo
que é para não viver sem saber
do susto de existir
pela metade do preço
De relance,
asas que só quando quero
eu vou

2 comentários:

Anônimo disse...

Olá Biba!!
Só queremos voar! Acho que deve ser muito bom!! Parar no tempo, voar... Um beijo da Bianca

Miranda Priestly disse...

Oi, to passando aqui pelo teu blog. . .adorei ele. . .eu tenho um novo, q começei ontem, é http://diabovesteprada.blogspot.com . . .botei o teu blog na minha lista de favoritos. . .e eu to assinando como miranda priesly. . .abraço Bruna